Category Archives: ô vida besta

O Pilates

Imagem

Nós, seres humanos, somos uns teimosos. Queremos as coisas do nosso jeito e vamos adaptando o mundo conforme vai dando na nossa telha.

Mas antes das cavernas, vivíamos em árvores, balançando pra lá e pra cá e de vez em quando quebrando um galho. Mas a teimosia fez com que a macacada reunida descesse para o chão, começasse a andar ereta e o estrago foi feito: na coluna.

Não tem ninguém nesse mundo que não tenha tido uma dor nas costas na vida. Minha porção de problemas na coluna é um pouco maior, já que eu sou um pouco maior do que a média.

Sabe bambu que vai crescendo até que enverga na ponta? Esse sou eu. Depois de muito tempo enrolando, finalmente me matriculei no Pilates, seguindo sugestão de médicos, fisioterapeutas, amigos, parentes e macacos em geral.

O Pilates está tão na moda que já abriu espaço para variações e releituras típicas do mercado de fitness, que precisa sempre inventar uma novidade para atrair clientes preguiçosos.

Porque tem uma turma que adora novidade. Claro que essa turma se divide em dois: os que realmente praticam a novidade até aparecer uma mais nova, e os que acham que só fazendo a matrícula já queimam 1 milhão de calorias.

Mas se você está pensando em fazer Pilates de raiz, aquele inventado na I Guerra Mundial, eu recomendo. Recomendo que você leia antes esse pequeno guia pra saber o que te espera. Pra facilitar, dividi em 3 tipos de exercícios:

Rocky, o lutador

É, meu amigo, minha amiga, quem pensa que Pilates é só alongamentozinho tá muito enganado. Tem horas que Eye of the Tiger fica tocando na sua cabeça enquanto você sente que tá no meio do nada, na neve, fazendo abdominal com um tronco de árvore. Todo o cenário e a trilha sonora são imaginários, menos a dor no abdômen, que é bem real e vai te acompanhar por mais uns 2 dias.

Cirque du Soleil

Um pé na frente, apoiado no aparelho extensor; o de trás fica em ponta equilibrado na bola, vira a cabeça 45 graus, a mão esquerda descreve um arco voltaico enquanto a direita segura no calcanhar de Aquiles: agora mexe a sobrancelha 10 vezes pra cada direção. Quero ver você conseguir.

Marques de Sade

Você será preso por cordas e ficará em posições humilhantes: de 4, pernas arreganhadas como se fosse um exame ginecológico, deitado. E vai suar, vai tremer de tanto esforço e vai gostar. Vai gostar muito e isso é preocupante.

Última dica: além de ótima atividade física, lembre que o Pilates é atividade mental. Rir de si mesmo quando não consegue fazer uma posição é fundamental. Assim como tentar de novo.

Só não demonstre muita empolgação com exercícios novos, porque senão você pode virar cobaia de professor criativo.

Que tempo bom

Juro que por essa eu não esperava. Os anos 50 estão na moda de novo e as séries Mad Men e Pan Am fazem a gente sentir saudade de um tempo em que nem viveu.

É até fácil entender.

Numa, o trabalho é duro, mas regado a muito whisky durante o expediente e secretárias sentando no colo dos colegas sem culpa e sem pressa de sair. Na outra, viaja-se de avião com muuuuito espaço para as pernas, comida boa, bebida a vontade e aeromoças bonitas e simpáticas.

Eu viveria num mundo assim. 

 

PS. Se você quer minha opinião sobre as séries, esqueça. São super bem produzidas e tal, mas pra mim série virou novela e novela é uma coisa insuportável.

Back

Taí porque esse blog ficou tanto tempo desatualizado.

http://www.miniclip.com/games/quick-fire-pool/br/

 

 

 

Réveillon

Hoje é 1º de julho. Ontem devia ter sido Réveillon. A gente devia ter tomado champagne, pulado 7 ondas, escondido semente de romã na carteira, cantado “que tudo se realize, no ano que vai nascer” e estourado muito rojão.

Porque o primeiro semestre foi foda, pra se dizer o mínimo. Crise mundial, Gripe mundial, Airbus caindo no mundo todo, comoção mundial com a morte do Rei do Pop. Tudo bem que a gente se acostuma com tanta tragédia, mas 2009 tá pegando pesado.

A distância não protege mais ninguém, não adianta querer fugir. A crise que começou nos EUA já me fez perder colegas de trabalho e dinheiro. Já conheço gente que teve que ficar isolada em casa, com suspeita da gripe que começou lá no México. Tive que correr atrás da lista de passageiros do Air France 447, porque tinha um sobrenome conhecido – que no final nem era parente.

(E isso não é nhém-nhém-nhém, é fato. Só estou me usando como exemplo, porque não posso me processar por injúria, calúnia e difamação.)

Adeus ano velho, feliz ano novo. Vamos parar de falar em crise e trabalhar. Vamos deixar os mortos em paz e aproveitar os vivos.

Elvis reloaded edit

Alguém me pergunta: e Kurt Cobain? O grunge que foi pro Nirvana mais cedo pode ter virado mito, mas pra uma parcela restrita da população, não chega a entrar no imaginário popular. Se vc encontrar um moleque em Bangladesh vestindo uma camisa de flanela, é só frio, não é homenagem.

Em tempo: quem entende de música mesmo é meu amigo http://sinaisdefumaca.zip.net/; leia o último parágrafo do post sobre o Michael Jackson e vc vai entender o porquê.

O Elvis da nossa geração

Primeiro explico uma coisa, ou melhor, duas:

1) Caioccino tem 2 metros de altura e é branco, mas mesmo com tudo isso contra ainda sente vontade de dançar quando vê os clipes do Michael Jackson; principalmente da fase Off the Wall.

2) Caioccino tem mais de 30 e menos de 40 anos, fase em que temos mais poder e vontade de consumir. É por isso que pra saber o que vai ser moda hoje é só atrasar o calendário em 30 anos. Tudo o que fazia sucesso quando eu tinha 10 anos bomba hoje, influencia tudo hoje e vende pacas. Transformers é só um exemplo. Michael Jackson é a prova concreta.

Isso tudo posto (que é chama), vamos à afirmação bombástica: Michael Jackson é o Elvis Presley da minha, da sua, da nossa geração, caro trintão, cara balzaca.

Mr. Jackson subiu aos píncaros da glória e desceu ao submundo das drogas e do isolamento. Vendeu trocentos milhões de discos (discos!), inventou o videoclip, virou Rei do Pop, espertamente, porque o Rei do Rock já era Mr. Presley. Até casou (e separou rapidinho porque tinha nojinho) da filha do Rei, Lisa Presley.

Nos programas de auditório dos anos 80 tinha concurso de imitador de Michael Jackson, tem noção o que é isso? Hoje se eu encontrar o Faustão, o Gugu ou o Raul Gil na rua acho que nem reconheço, de tanto tempo que não vejo esses senhores na TV (mentira, eu vi o Raul Gil numa churrascaria em SP um dia desses), mas que eu saiba não existem concursos de imitadores de Hanna Montana ou Jonas Bros.

Aliás, foi por aí que tive que explicar pra minha filha de 7 anos o tamanho do sucesso de Thriller: junta tudo o que vc gosta hoje e não dá metade do sucesso dele. Isso enquanto acompanhava a CNN e a GloboNews em busca da confirmação. Aliás, quando a News começou a entrevistar Gabriel O Pensador e Sandra de Sá lembrei que não precisa mais de diploma pra ser jornalista e isso não vai mudar nada.

Mas o fato é que os jornalistas com e sem diploma vão se referir muito mais a Michael, quando quiserem dar um exemplo de mito da música, do que a Elvis. Elvis acaba de passar oficialmente a um plano superior e futuramente será pouco lembrado porque quem o viu vivo, no auge, já está bem longe dos 30 anos.

Isso já acontece com o Heather Ledger, que está muito longe do sucesso do James Dean, mas que morreu jovem e bonito, no auge de um grande papel em um mega Blockbuster. E o jeitão misterioso e tímido de James Dean nos anos 60 é equivalente ao jeitão esquizofrênico e meio louco dessa primeira década de novo século.

O mundo se tornou um lugar de excessos realmente excessivos. Elvis comia sanduíches estranhos, misturando pasta de amendoim com salame. Michael comia…, bem, de comida mesmo parecia que não comia nada. Mas os dois mandavam bala nos remédios. Neverland era Graceland elevada à enésima potência. Mas no fim, dá tudo na mesma. Por cima uma laje, por baixo a escuridão.

A única grande diferença hoje são celulares com câmera. Por causa deles, temos a foto dele entubado, entrando no hospital provavelmente já morto. Assim não tem mistério, não tem especulação, não tem “Elvis não morreu”.

De repente, a chuva estragou os planos

Não viu chegar, porque era madrugada, quase manhã. Só ouviu o som do céu se encontrando com o chão aos poucos, gota por gota, como uma máquina sendo colocada em movimento.

Voltou a dormir, satisfeito.